Translate

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Transformação




Sou assim, como um pouco de mim;
De tanto ser eu, já não sei mais de mim;
Flores roxas, flores rosas, deslumbrantes ou murchas;
Todas foram plantadas, cheiradas, admiradas e colhidas ao seu tempo;
Em meu jardim planto as que me agradam o olhar;
Cultivo as que são mais fracas, dou sombra as que não resistem ao sol, e água a todas elas;
Meus passos são leves e delicados ao passeio no jardim, não quero machucar as raízes que não são vistas;
Já vi crescer flores belas, de ervas daninhas, de matinhos secos, de corações vazios;
Não entendendo o sentimento da posse, de não se viver a própria vida e de depender de alguém para se sentir querido;
De tanto ser eu, já não sei mais de mim;
Sempre quis ter uma borboleta, sabe aquele voo leve, quase que sem controle, parece ser levada com o vento, asas finas, corpo frágil;
Mas sei que essa fragilidade nasceu de um corpo forte robusto da lagarta feia;
Sempre quis ter uma borboleta, de tanto ser eu, já não sei mais de mim;
E hoje em dia sei que preciso de uma lagarta, vou alimenta-la, vou deixa-la livre, vou regar minhas flores que florescerão novamente, para que lhe sirvam de alimento, para que ai então, quando se sentir a vontade, quando se sentir livre;
Será o momento em que mais se isolara do mundo, fara seu casulo para renascer, com asas leves e corpo frágil, a lagarta de tanto ser ela, já não sabia mais dela;
Era feia , rastejante e gorda, e agora é a borboleta mais bela;
De tanto ser eu, já não sei mais de mim;
Meu jardim esta bem cuidado, minhas flores murcham, as folhas caem, o solo seca, ervas daninhas crescem, matinhos encobrem as cores;
Mas eu, que de tanto ser eu, continuo a regar e a colher e a cheirar...
...a espera da lagarta uma borboleta se transformar.